Carinho e dedicação ao antigo professor mantêm unida turma de ex-alunos Marista há 50 anos

Ao lado do Irmão Itaici, turma de ex-alunos do Colégio Marista mantém-se unida há mais de 50 anos, dedicando atenção e carinho ao antigo professor

Jacqueline Heluy  –  

Se você entrar em algum restaurante de São Luís, em uma sexta-feira, no horário de almoço, e de repente se deparar com um animado grupo de amigos, na faixa etária de 60 anos, contando piadas, dando gargalhadas e recitando bem alto a estrofe “Por Deus, Pela Pátria e Por Maria”, olhe, sorria, siga em frente e não se assuste.

Esses jovens sexagenários, cantando o hino do Colégio Marista, são conhecidos como “A Turma do Irmão Itaici”. Há 50 anos eles se reúnem em uma sexta-feira de cada mês para relembrar as peripécias de quando frequentavam os bancos da escola, dos fatos que marcaram São Luís nas últimas cinco décadas e dos colegas que já faleceram.

Mas, o que fez essa turma se manter unida por todo este tempo?

O ano era 1966. Eram cerca de 40 garotos, entre 11 e 13 anos, como tantos outros que cursavam o antigo ginasial do Colégio Marista de São Luís. Um professor de canto e francês fez toda a diferença na formação pedagógica, na construção dos valores éticos e cristãos e marcou a vida desses estudantes para sempre.

Irmão Itaici tinha 29 anos quando foi designado para ser titular, uma espécie de responsável por aquela turma de inquietos garotos entrando na adolescência.

O jovem mestre soube construir como ninguém a autoestima dos seus alunos e, por meio da música e do esporte, fez com que a sua turma conquistasse lugar de destaque em todas as atividades realizadas pelo Marista àquela época – das excelentes notas e do melhor desempenho nos estudos, ao pódio de 1º lugar no futebol.

Os alunos relembram o incentivo que Irmão Itaici dava ao time de futebol, mandando confeccionar, por conta própria, a equipagem da equipe. E ai de quem chegasse com blusões sujos e meias rasgadas. Ele passava uma descompostura e não deixava treinar de forma alguma. “Tínhamos quer andar o tempo todo com nosso fardamento e equipagem impecáveis”, contam.

Itaici também incentivou os garotos a formarem um coral, uma banda de música e um jogral que marcaram época no Marista. O sucesso foi tão grande que as apresentações lotavam o auditório da escola. “Nós éramos a sensação do colégio”, relatam.

O tempo passou, mas o amor, o carinho e a gratidão só se fortaleceram e não permitiram que a “Turma do Irmão Itaici” abandonasse o antigo mestre.

Durante os últimos 50 anos, Irmão Itaici continuou presente na vida dos seus ex-alunos e trata a todos como se ainda fossem garotos de 11 a 13 anos. Dá conselhos e passa uma tremenda  descompostura quando fica sabendo que qualquer um deles tenha cometido alguma falha grave. Ainda os chama pelos mesmos apelidos.

Os garotos, hoje jovens sexagenários, muitos já avôs, nunca abandonaram o antigo mestre.

Eles se distribuem nas tarefas de cuidar e dar carinho a Itaici. Levam-no às consultas médicas, às festas, ao shopping, atividades de lazer, aos almoços nos restaurantes e nos encontros que realizam nas casas de um deles. E religiosamente levam o professor à missa aos domingos em diferentes igrejas de São Luís.

Esta semana, o professor, hoje com 81 anos, deu um susto na sua turma.  Submeteu-se a uma cirurgia para implante de quatro stents no coração.

Ao lado do leito do hospital São Domingos, lá estavam eles, os garotos da “Turma do Irmão Itaici”, cobrindo-o com o mesmo amor e carinho, como forma de dizer: muito obrigado, amado mestre!

5 Replies to “Carinho e dedicação ao antigo professor mantêm unida turma de ex-alunos Marista há 50 anos”

  1. Belo e emocionante texto. Além da demonstração de respeito, carinho e agradecimentos pela formação que receberam, o grupo é exemplo de amor ao próximo.

  2. Que belo exemplo de longevidade de fraternidade e amizade!
    Não fui dessa turma, pois era a famosa turma “A”, do “Irmão Itálico”! Eu pertenci à turma “C”, que era de responsabilidade do professor de português, Monteiro, que me marcou muito, principalmente pela sua correção e comportamento ilibado, despertando na gente sentimento de cidadania responsável e comprometimento com os mais altos ideais!
    Lembro-me perfeitamente da figura esguia e alegre do Irmão Itaici!!!! Saudades dessa inesquecível época!!!! Abraços à todos!

  3. Sou testemunho da importância do Irmão Itaici na formação desses meninos sempre com muita alegria e harmonia pois de longe acompanhava meu Irmão António José Tuica apelido dado por Irmao Itaici com muito carinho pena que partiu mais cedo senão estaria nessa foto com certeza
    Muita SaudeIrmao Itaici Azilado kkk
    Abraços
    António Carlos Borges Araujo

  4. Dona Jacqueline.
    A senhora foi muito feliz quando falou do Irmão Itaici e sua turma do Marista Maranhense. Fui contemporâneo do Itaici na formação marista. E sou admirador do meu irmão. Ele é sui generis, Fala-me constantemente de sua turma do Maranhão com um carinho extraordinário. Mas, outras turmas, em outros lugares, têm as mesma características desta do Maranhense. Caso a senhora tenha a oportunidade de ir a Aracati , Belém, Surubim e Recife verá o apego que esse menino Itaici desperta nos seus eternos educandos, verdadeiros filhos. Ele é o mais encantador educador que conheci. Fui depois seu diretor em Belém, onde ele também deixou uma legião de amigos, mais que amigos, filhos. Por outro lado, Itaici merece tudo o que esses meninos de São Luis faz por eles, pois como educador é e sempre foi extremamente dedicado. Ele é orgulho dos maristas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *